9 de mar de 2014

Resenha - Todo Dia – David Levithan.


Todo Dia – David Levithan.



“Acordo...
Imediatamente preciso descobrir quem sou. Não se trata apenas do corpo – de abrir os olhos e ver se a pele do braço é clara ou escura, se meu cabelo é comprido ou curto, se sou gordo ou magro, garoto ou garota, se tenho ou não cicatrizes. O corpo é a coisa mais fácil à qual se ajustar quando se está acostumado a acordar em um corpo novo todas as manhãs. É a vida, o contexto do corpo, que pode ser difícil de entender. 
Todo dia sou uma pessoa diferente. Eu sou eu, sei que sou eu, mas também sou outra pessoa.
Sempre foi assim.“
Trecho do Livro.

A cada dia A acorda no corpo de uma pessoa diferente. A cada dia A percebe ao seu redor um novo quarto, uma nova realidade, uma nova perspectiva, um novo mundo e um novo corpo. Corpo este que será controlado por A durante 24 horas.
Quando ele era jovem tudo o que ele queria era amizade e intimidade. Mas como poderia ter essas duas coisas se em cada amanhecer ele estaria habitando um corpo diferente? Ele sentia que os pais do corpo da pessoa a qual estivesse habitando naquele dia poderiam ser seus pais, os amigos daquele corpo poderiam ser seus amigos. Entretanto, após algum tempo ele aprendeu a parar com esse tipo de esperança. Era doloroso demais para ele viver com tantas separações. Os laços que ele criava com as pessoas eram cortados quando ele acordava no corpo de uma nova pessoa e não mais pudesse ver alguém que havia feito parte do seu dia anterior.
Por conta disso, A acabou criando algumas regras e uma delas seria: não permitir se apegar, muito menos interferir na vida das pessoas. Ele tentava fazer com que os dias das pessoas fossem totalmente normais. A não podia permitir que se envolvesse com as pessoas quando estivesse habitando o corpo de alguma delas.

“O passado não me ofusca, nem o futuro me motiva. Concentro-me no presente, porque é nele que estou destinado a viver.” 
Trecho do Livro.

Entretanto, A acaba quebrando todas as regras que ele tinha estabelecido para si próprio. Foi num dia comum, como qualquer outro. Um dia em que A estava habitando o corpo de Justin. Rhiannon, a namorada de Justin, foi a pessoa por quem A se apaixonou e se permitiu quebrar as suas leis. Tinha algo naquela garota que fez A sentir o mais nobre de todos os sentimentos. 
Ele fez daquele dia um dia perfeito para Rhiannon. Levou-a á praia e fez de tudo para fazê-la feliz Mas o final do dia chegou, e ele não poderia continuar no corpo de Justin. Ele queria, queria ficar com sua amada. Mas não podia. Não tinha como permanecer no corpo de Justin e continuar ao lado do seu amor.
Os dias foram se passando e ele não conseguiu esquecê-la. A cada dia A ia acordando no corpo de uma pessoa diferente e nada o fazia esquecer Rhiannon. Foi então que ele decidiu encontra-la novamente. 
Contou a ela o seu segredo. Falou que na verdade não teria sido o Justin que teria levado ela a praia, teria sido ele – apesar do corpo dele ter feito todas as ações – mas era ele quem estava controlando o corpo de Justin. Revelou a ela que a cada dia ele habitava e controlava um corpo diferente. No inicio foi um pouco difícil para ela acreditar no que ele estava falando. Mas aos poucos Rhiannon foi se apaixonado por A e ele a cada dia ia ficando mais louco de paixão por ela. 
A cada dia que A encontrava Rhiannon em um corpo diferente, que sentia o seu perfume, que beijava a sua boca não conseguia entender o porquê de não poder ficar com ela para sempre no corpo de apenas uma pessoa. 
Foi então que aconteceu de um dia ele conhecer uma pessoa igual a ele. Que a cada dia muda de corpo, que cada dia está em um corpo diferente. E esse alguém havia dito que ele poderia habitar o corpo de uma pessoa por quanto tempo quisesse e com isso ele poderia viver ao lado de Rhiannon. Isso era tudo que ele queria. 
Será que ele conseguiu viver ao lado do amor de sua vida? O livro toma um rumo surpreendente em que o leitor se sentirá cada vez mais emocionado a cada página. 

“Quando o primeiro amor termina, a maioria das pessoas sabe que outros virão. Elas não acabaram para o amor. O amor não acabou para elas. Nunca será igual ao primeiro, mas será melhor, de diferentes modos. Eu não tenho tal consolo. Por isso me agarro a ele, por isso é tão difícil.“
Trecho do Livro.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Próxima Página